22 de jan de 2007

Recicla Ubatuba!

Você sabe para onde vai o seu lixo?
Assista ao vídeo produzido por alunos do EM da Cooperativa Educacional de Ubatuba e descubra.


Alunos da Cooperativa produzem revista eletrônica sobre o meio ambiente


Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) foi sancionada em 2 de agosto de 2010, depois de 19 anos de discussões. A lei impõe obrigações a governos, a empresários e a cidadãos a respeito do gerenciamento do lixo e de materiais recicláveis. Clique aqui para ler o documento na íntegra.
OS CINCO ERRES DA MUDANÇA
Coleta Seletiva, Cooperativas e Reciclagem são um conjunto de ferramentas ambientais que, na prática, além de alavancar uma série de negócios, acabam por auxiliar no tratamento dos resíduos sólidos. São também ferramentas sociais de inclusão, atividades práticas de educação ambiental e, mais do que isto, processos de geração de emprego e renda. A melhor forma de se fazer coleta seletiva começa com a informação. Toda vez que uma instituição que se propõe a fazer coleta seletiva apenas distribui latões coloridos por suas instalações, perde tempo e dinheiro. Esse é um processo longo de Educação Ambiental. Educar é mudar hábitos. Primeiro, é preciso mostrar às pessoas os benefícios desse processo, de forma que elas entendam e levem isso para dentro de casa, para o bairro, para a cidade. Comece fazendo a sua parte. Pratique os CINCO ERRES: REPENSE seus hábitos REDUZA o consumo REAPROVEITE o que for possível. RECICLE suas ideias. Separe plásticos, papéis, metais e vidros para a reciclagem. RECUSE o supérfluo.

O LIXO NOSSO DE CADA DIA
O desenvolvimento para o conforto e o bem-estar humano produzido a partir da Revolução Industrial levou à intensificação de material descartado, ocasionando um aumento, basicamente nas áreas urbanas, da quantidade de resíduos gerados e não utilizados pelo homem, muitos deles provocando a contaminação do meio ambiente e trazendo riscos à saúde. O crescimento das áreas urbanas não levou em consideração a necessidade de adequação de locais específicos para depósito e tratamento dos resíduos sólidos. No Brasil de hoje, por exemplo, segundo o IBGE, a quantidade diária de lixo coletado é de 230,413 mil toneladas . Desse total, 167,215 mil toneladas são destinadas a aterros sanitários/controlados e 48,321 mil toneladas são despejadas nos chamados “lixões”, a céu aberto, sem nenhum tipo de tratamento. Fonte: Fichário do Educador Ambiental, MMA.
COMPOSTAGEM: NA NATUREZA, NADA SE PERDE

O lixo brasileiro é composto basicamente por matéria orgânica (65%), papel (25%), plástico (3%), metal (4%) e vidro (3%). O tempo de decomposição desses materiais na natureza é bastante variado. Podem durar meses (orgânicos: de dois a 12 meses) a até milênios (vidro: entre mil e quatro mil anos). A falta de novas áreas para a implantação de aterros sanitários (ou “lixões”, ou aterros controlados) é um fator que tem contribuído para a implementação de sistemas de compostagem, processo biológico para decompor matéria orgânica de origem animal ou vegetal. Estudos apontam que as técnicas utilizadas pela compostagem são capazes de reduzir à metade a massa de lixo processada e, num prazo de 60 a 90 dias, levar à obtenção de um composto orgânico, para a utilização na agricultura, sem causar danos ao meio ambiente. Fonte: Fichário do Educador Ambiental, MMA

A arte do lixo